Perda Auditiva

O que é ?

A perda auditiva afeta um grande número de pessoas no mundo todo, de diversas maneiras. Com o tempo, a perda auditiva pode causar efeitos como ansiedade, depressão, isolamento social e solidão. Dessa forma, uma perda auditiva não tratada, além de um problema físico, pode também se tornar um problema psicológico. Por isso é tão importante buscar uma solução o mais rápido possível.

Se você possui perda auditiva, é importante saber que você não está sozinho. De fato, você é um entre 500 milhões de pessoas no mundo todo. Na maioria dos países, uma a cada seis pessoas possui algum grau de perda auditiva. Mas fique tranquilo, pois em 90% dos casos, um aparelho auditivo bem adaptado pode melhorar a comunicação das pessoas com perda auditiva. Esteja certo de que existe uma solução.

Perda Auditiva - O que é ?

Causas

Existem diversos fatores que podem causar perda auditiva, tais como:

  • Exposição a ruído excessivo
  • Hereditariedade
  • Doenças
  • Reações a medicamentos
  • Danos
  • Cerúmen
  • Envelhecimento
Perda auditiva induzida por ruído (PAIR)

Os danos auditivos podem ser gerados por níveis contínuos de exposição de 85dB. Se você ouvir música em volume muito alto em um show ou no seu MP3, por exemplo, você pode sentir que não está ouvindo muito bem. Isso ocorre pois as sensíveis células ciliadas do seu organismo auditivo estão temporariamente danificadas. Após um período de silêncio, elas se recuperam. Isto é chamado de mudança temporária de limiar auditivo (TTS).

No entanto, se repetidamente você se expuser a períodos longos em ambientes com altos níveis de ruído, as células ciliadas ficarão permanentemente danificadas sem possibilidade de recuperação. Isto é chamado de mudança permanente de limiar auditivo (PTS).

Ouvir música em um volume alto em shows, discotecas ou fones de ouvido pode ser bem perigoso. A intensidade sonora através dos fones de ouvido, por exemplo, pode facilmente atingir 110-120dB. Barulhos altos e repentinos como fogos de artifícios também podem causar perda auditiva induzida por ruído.

Pessoas que trabalham em ambientes barulhentos também correm risco. Trabalhadores de construções, fábricas, pistas de aeroportos e músicos devem usar protetor auditivo.

Outro efeito do ruído pode ser o zumbido. Isso ocorre quando uma ou as duas orelhas percebem sons pelos quais não há fonte sonora correspondente externa. Em outras palavras, os sons ouvidos na realidade não existem. É comumente descrito como “apito” no ouvido e pode ocorrer em diferentes níveis de som.

O que você pode fazer?

A única alternativa para isto é a prevenção: use protetor auditivo! Existem inúmeras possibilidades desde os comerciais protetores de ouvido até tampões customizados com diferentes tipos de filtros.

Sintomas

Existem diferentes tipos de perda auditiva que podem acontecer em diferentes graus e por diferentes causas. Mas os sintomas da perda auditiva são basicamente os mesmos.

  • As pessoas aparentam murmurar com mais frequência
  • Você ouve, mas tem problemas em entender
  • Por vezes você pede para que as pessoas repitam o que disseram
  • Conversas ao telefone são mais difíceis
  • Você não consegue ouvir sons cotidianos como a torneira pingando ou o tic-tac do relógio
  • É difícil ouvir sem observar o rosto de quem fala
  • Você é avisado que fala muito alto
  • As pessoas dizem que você ouve rádio e TV muito alto
  • Há algo soando ou zumbindo em seu ouvido
  • Conversas são difíceis em um grupo muito grande
  • Você tem problemas de acompanhar conversas com mais de duas pessoas
  • Você sente dificuldades para ouvir em lugares muito cheios como restaurantes e shoppings
  • Você passa muito tempo ouvindo apenas crianças e mulheres
  • As pessoas geralmente comentam que o volume da sua TV ou rádio estão muito altos?

Se você respondeu sim a qualquer uma das perguntas acima, existe chance de você possuir algum tipo de perda auditiva.
Você deve procurar um médico otorrinolaringologista para uma avaliação adequada.

Graus

Diferentes níveis de perda auditiva são classificados em graus, dependendo da severidade da perda auditiva.

Graus

Graus

O que é um audiograma?

O audiograma é um gráfico aonde o teste auditivo é marcado. O grau da perda auditiva é medido em dB para frequências chave definidas. A frequência é medida em Hertz, abreviado como “Hz”. As curvas mostradas em Decibéis (dB) descrevem o limiar de audição individual de uma pessoa em comparação à média normal de audição, que gira em torno de 0dB. Devido as diferenças individuais, os limiares até 20dB são considerados normais. Símbolos são colocados no audiograma mostrando o limiar da pessoa para cada frequência chave em relação às conduções óssea e aérea. O audiograma mostra o nível mais baixo que o som é percebido. Isso é também conhecido como limiar auditivo. Símbolos distintos são usados para distinção entre medição da condução aérea e óssea, assim como para qual orelha cada medição se refere. Você pode ver os níveis de sonoridade e frequências para diferentes sons de fala no audiograma ao lado. Devido ao formato dessa área de fala, essa figura é também conhecida como “banana da fala”. As vogais são sons de frequência grave com mais intensidade que as consoantes, que são sons agudos e fracos. As vogais fornecem a impressão de intensidade enquanto as consoantes fornecem o entendimento e a distinção entre as palavras (ex: faca ou vaca).

O que é um audiograma?

Devo usar aparelho auditivo?

Na maioria das vezes, a perda auditiva inicia-se de maneira gradativa e despercebida. Aqui listamos os principais sinais de alerta que irão ajudá-lo a determinar qual tipo de perda auditiva é apresentada.

  • As pessoas aparentam murmurar com mais frequência
  • Você ouve, mas tem problemas em entender
  • Por vezes você pede para que as pessoas repitam o que disseram
  • Conversas ao telefone são mais difíceis
  • Você não consegue ouvir sons cotidianos como a torneira pingando ou o tic-tac do relógio
  • É difícil ouvir sem observar o rosto de quem fala
  • Você é avisado que fala muito alto
  • As pessoas dizem que você ouve rádio e TV muito alto
  • Há algo soando ou zumbindo em seu ouvido
  • Conversas são difíceis em um grupo muito grande
  • Você tem problemas de acompanhar conversas com mais de duas pessoas
  • Você sente dificuldades para ouvir em lugares muito cheios como restaurantes e shoppings
  • Você passa muito tempo ouvindo apenas crianças e mulheres
  • As pessoas geralmente comentam que o volume da sua TV ou rádio estão muito altos?

Quanto custa um aparelho?

Quanto custa um aparelho?

Os preços variam de acordo com a tecnologia incorporada nos aparelhos auditivos, as opções selecionadas e os serviços inclusos com a compra. Seus aparelhos auditivos irão depender do seu tipo de perda auditiva e suas necessidades específicas.

Na Comunicare todos os clientes só efetuam a compra de um aparelho auditivo após experimentá-lo no seu dia a dia sem custo e sem compromisso para que dessa forma possa tomar a decisão mais segura em relação a tecnologia que lhe trará maior beneficio.

Além do processo de decisão tecnológica, a Comunicare oferece parcelamento próprio sem juros em até 12 vezes no cartão de crédito, cheque ou boleto bancário, bem como planos de financiamento que possibilitam o parcelamento em até 60 meses.

Vivendo com um aparelho

Existem inúmeras opções de aparelhos auditivos disponíveis no mercado com alta tecnologia e diferentes estilos, recursos e soluções estéticas, capazes de melhorar significantemente o seu dia a dia sem interferir no seu estilo de vida.

No entanto, todos os aparelhos auditivos possuem algumas características comuns. Eles são desenvolvidos para seletivamente aumentar o volume dos sons que você deseja ouvir. Eles podem tornar os sons suaves mais audíveis e, ao mesmo tempo, tornar confortáveis os sons moderados a altos, oferecendo assim conforto auditivo em ambientes com ou sem presença de ruídos. Nenhum aparelho auditivo é capaz de resolver todos os problemas auditivos ou restaurar a audição normal, mas eles são desenvolvidos para oferecer amplificação de forma que você seja capaz de ouvir melhor.

Basicamente, um aparelho auditivo é um sistema de amplificação miniatura que possui os seguintes componentes:
  • Microfone
  • Amplificador (a maioria com processamento digital de sinal)
  • Receptor (mini alto falante)
  • Molde de ouvido (uma peça de acrílico ou silicone feita customizada para se encaixar no ouvido) ou uma concha, no caso dos aparelhos intracanais ou microcanais
  • Bateria
Vivendo com um aparelho

Melhorando a sua audição

Melhorando a sua audição

Quanto mais tempo você demorar para buscar ajuda, mais difícil será se adaptar aos aparelhos auditivos, pois você já não está mais acostumado a ouvir os sons normalmente e assim, o cérebro esquece como é ouví-los. Como consequência, seu estado emocional e psicológico também podem ser afetados.

Abaixo apresentamos um passo a passo do que fazer quando existe a suspeita de uma perda auditiva:

Primeiro, procure um otorrinolaringologista, médico especializado em distúrbios de audição. Ele fará uma avaliação geral da sua orelha, verificando a presença de cerúmen ou infecção. Possivelmente, ele pedirá a realização de exames para avaliar a sua audição. Você provavelmente fará audiometria que é realizada por um fonoaudiólogo. Tem o objetivo de investigar o quanto você é capaz de ouvir – a menor intensidade audível. Ele dura aproximadamente 1 hora, é indolor e necessita muito da sua colaboração para responder aos sinais acústicos. Sinta-se a vontade para tirar todas as suas dúvidas e tente ficar o mais relaxado possível durante o exame. Procure também ser o mais aberto possível, pois quanto mais informações o fonoaudiólogo ou o otorrinolaringologista têm sobre você, mais fácil será ajudá-lo.

Com os exames em mãos, o otorrinolaringologista lhe recomendará um tratamento. Caso ele indique o uso do aparelho auditivo, você deve procurar um fonoaudiólogo. Através do resultado dos exames e da investigação das suas necessidades auditivas, ele selecionará o aparelho mais adequado para você e lhe fornecerá todas as informações sobre ele, tais como: recursos disponíveis e preço. Aproveite e esclareça todas as suas dúvidas.

Existem alguns aparelhos auditivos que são personalizados para sua orelha. É o caso dos intracanais. Caso o seu fonoaudiólogo lhe indique um desses aparelhos, ele tirará a impressão da sua orelha. Ela será enviada para o laboratório da Siemens para a produção do aparelho auditivo. Isso geralmente leva alguns dias. Na Siemens, as impressões são replicadas com muito cuidado para oferecer a melhor adaptação possível.

Na sua próxima consulta, o fonoaudiólogo ajustará seu aparelho auditivo. Os ajustes são realizados pelo computador, baseados no seu audiograma e nas suas queixas auditivas. Seu fonoaudiólogo lhe dará todas as orientações sobre como manusear o seu aparelho e ouvir melhor nos diferentes ambientes acústicos. Ele também te ensinará a colocar e retirar seu aparelho, e a fazer a limpeza dele. Na Siemens, você pode levar seus aparelhos para casa para testá-los nas várias situações auditivas que você costuma frequentar, antes de adquiri-lo. No retorno, você dará o “feedback” ao fonoaudiólogo sobre sua experiência com o aparelho.

Depois de adquirir os aparelhos auditivos, o fonoaudiólogo lhe dará todas as orientações necessárias para uma boa adaptação. Você pode precisar de ajustes adicionais em seu aparelho e agendar uma nova consulta. A Siemens possui um programa de acompanhamento após a compra do aparelho. Obtenha mais informações sobre ele entrando em contato com uma de nossas revendas.

Aprenda a apreciar novamente os sons. Aprender a ouvir com os aparelhos auditivos leva um tempo e exige um pouco de paciência no começo. Talvez você precise aprender a ignorar alguns sons indesejados, como costumava fazer quando tinha a audição normal. Não crie a expectativa de ouvir 100% em todas as situações auditivas.

Prevenção da perda auditiva

Quanto custa um aparelho?

A perda auditiva induzida por ruído é uma das mais comuns. Mas, ao contrário da perda auditiva em decorrência do envelhecimento, a perda auditiva induzida por ruído pode ser evitada se você tomar algumas medidas de precaução.

Um som com mais de 130dB pode causar rapidamente danos irreversíveis a cóclea. Mesmo o som de um projétil, disparado por um caçador por exemplo, pode causar uma perda auditiva permanente. Nesse caso específico é indicado o uso de um protetor auricular.

Exposições prolongadas a alto níveis sonoros, de 80 a 90 dB, podem causar danos permanentes ao sistema auditivo. Se você fica exposto a sons muito altos no trabalho é altamente recomendado que você use algum tipo de proteção auditiva.

Tipos de perda auditiva

Perda auditiva condutiva

Uma perda auditiva condutiva ocorre quando o ouvido externo ou médio é lesado ou não funciona apropriadamente. Consequentemente, as ondas sonoras não são transportadas ao ouvido interno. Em caso de disfunção temporária, é possível tratar uma perda auditiva condutiva com cirurgia e/ou medicação.

Causas comuns de perda auditiva condutiva:
  • Lesão no ouvido externo
  • Bloqueio do canal auditivo devido à cerúmen ou outros pequenos objetos como alimento, sangue ou insetos
  • Infecções no ouvido externo ou médio, geralmente com supuração
  • Perfuração da membrana timpânica
  • Deformidades congênitas (i.e. Síndrome de Down, Síndrome de Franceschetti ou Treacher-Collins ou Acondroplasia (Dwarfism))
  • No audiograma é possível ver uma perda auditiva condutiva. Neste exemplo, o ouvido interno funciona normalmente. No entanto, algo inibe o som de ser propagado do ouvido externo/médio até o ouvido interno.

A perda auditiva mostrada acima é de 30 a 50dBNA na orelha direita e de 35 a 45 dBNA na esquerda. Essa pessoa apenas poderá perceber fragmentos de fala normal com um nível de intensidade em torno de 65dB. Uma pessoa com audição normal apresenta variação até 65dB entre limiar auditivo (0dB) e nível de fala (em 65dB). A pessoa com a perda auditiva mencionada apresenta apenas um campo dinâmico em torno de 20dB. Essa diferença de 45dB deve ser amplificada para permitir que ela perceba fala e sons apropriadamente.

Dependendo do diagnóstico geral, a amplificação necessária normalmente é provida por:

Aparelhos auditivos convencionais (algumas vezes não será possível devido a inflamações crônicas, supuração e displasia do canal auditivo/orelha externa)

Aparelhos auditivos por condução óssea: caixa de um aparelho auditivo retroauricular com um transdutor ósseo para vibração, posicionado no crânio e fixado com uma faixa

Aparelhos auditivos ósseos implantados: um transdutor ósseo vibrátil é fixado no crânio através de parafuso implantado cirurgicamente atrás da orelha

Se o ouvido interno estiver lesado, soluções auditivas de condução óssea não oferecem amplificação. A função delas é somente fazer com que os sons sejam ouvidos por uma vibração da cabeça, que transfere a informação de som diretamente ao ouvido interno. A partir deste ponto, o processo auditivo continua normalmente.

Perda auditiva neurossensorial

É o tipo mais comum de perda auditiva. Origina-se na orelha interna ou ao longo das vias neurais. Geralmente o dano ocorre na orelha interna (cóclea). Neste caso, as células ciliadas da cóclea são danificadas e não conseguem transmitir impulsos elétricos ao cérebro. A perda auditiva sensório-neural pode ser tanto congênita (de nascimento) ou adquirida após o nascimento.

Causas congênitas mais comuns:
  • Fatores hereditários
  • Infecções virais
  • Prematuridade
  • Traumas no momento do nascimento, como anóxia
Causas adquiridas mais comuns incluem:
  • Ingestão de medicamentos ototóxicos (danos ao sistema auditivo)
  • Exposição a ruído excessivo
  • Envelhecimento
  • Infecções no ouvido
  • Meningite
  • Encefalite
  • Dano cerebral
  • Outras doenças

O audiograma mostra uma perda auditiva em rampa de 20dBNA nas frequências graves até de 75dBNA nas frequências mais agudas, quase igual nas duas orelhas. Uma perda auditiva como essa, geralmente pode ser tratada com o uso de aparelhos auditivos convencionais.

Se uma perda auditiva sensorial em frequências importantes para fala exceder valores entre 80 e 90dBNA, fica difícil entender a fala adequadamente. A razão é que ainda que a pessoa sofra de uma perda auditiva profunda, ela não considerará desconfortáveis sons extremamente altos como uma pessoa normal. O desafio neste caso é adaptar o espectro completo de fala no campo dinâmico residual dela. Se este campo é reduzido a 10 – 20dB, aparelhos auditivos convencionais não fornecem amplificação suficiente.

Para estes casos o implante coclear (IC) pode ser a solução. Um implante coclear processa os sons e os transforma diretamente em impulsos elétricos. Ele substitui a função da orelha externa. Os impulsos elétricos estimulam diretamente o nervo auditivo. O processo auditivo é então desencadeado no cérebro. No entanto, para que o cérebro interprete os sons corretamente, o paciente precisa ter experiências auditivas prévias ou colocar o IC nos primeiros quatro anos de vida.

Mesmo sob condições ideais, pacientes com implante coclear precisam de muito treinamento auditivo e suporte contínuo, e mesmo assim não existe garantia que o IC funcionará em todo paciente.

Perda auditiva mista

Quando as medidas de condução aérea e óssea são superiores a 20 dBNA e a diferença entre elas ultrapassa 15dB, chamamos de perda auditiva mista. Este tipo de perda auditiva é tratado de acordo com a severidade, estruturas anatômicas e outros fatores de influência. Por esta razão, todas as soluções mencionadas nas outras páginas podem ser aplicadas aqui:

  • Aparelhos auditivos convencionais
  • Aparelhos Auditivos por Condução Óssea
  • Aparelhos Auditivos Implantáveis (BAHA)
  • Implante coclear (IC)

Escolher o melhor tratamento depende da faixa de adaptação de cada aparelho auditivo de acordo com o grau da perda auditiva.

Tipos de aparelhos auditivos

Quais são os diferentes tipos de aparelhos auditivos?

O aparelho auditivo possui diferentes componentes:

  • Microfones – captam o som do ambiente
  • Mini-chip – processa o som de acordo com as necessidades auditivas individuais
  • Receptor – distribui o som
  • Bateria – fornece energia ao aparelho auditivo
  • Botão de Programa – altera programas e volume

Esses componentes podem ser encontrados em quase todos os aparelhos auditivos. Dependendo de onde e como o aparelho auditivo é utilizado, a maioria deles podem ser categorizados dentre esses principais tipos.

Há três tipos básicos: aparelhos auditivos com receptor no canal [inglês: Receiver-in-canal (RIC)], aparelhos auditivos utilizados atrás da orelha [inglês: Behind-the-ear (BTE)] e os aparelhos auditivos que são utilizados na parte interna da orelha [inglês: In-the-ear (ITE)]. O tipo correto para você dependerá da sua deficiência auditiva e anatomia da sua orelha, assim como suas preferências pessoais considerando o design e tecnologia.

Nessa pequena série, lhe contaremos um pouco mais sobre esses diferentes tipos de aparelhos auditivos.